fbpx

Sinopse

“O gregoriano é a versão sonora da interpretação da Palavra. Desponta o dado sonoro do gregoriano: a interpretação da Palavra se faz som, toma vida como evento musical, se faz som da Palavra. A Igreja acolhe o som, “consagrando-lo” à parte integrante do evento litúrgico e o faz “veiculo de sentido”, ou verdadeiramente muito mais que um simples “enfeite” de um texto. O texto cantado deve coincidir com o texto explicado; a explicação do texto reside naquela precisa organização de sons. O canto gregoriano torna-se então a explicação da Palavra como quer a Igreja, através de um detalhado projeto sonoro. O gregoriano é a contextualização litúrgica da interpretação sonora da Palavra. Significa que a Palavra não deve ser somente interpretada e cantada, mas sobretudo deve ser contextualizada: a Palavra torna-se evento litúrgico, colocando-se, por isso, no coração da experiência eclesial. Atenção: a Palavra não é colocada simplesmente no interno da liturgia, mas torna-se ela mesma liturgia. O “canto próprio da liturgia” é exatamente “liturgia própria no canto”.

O canto gregoriano: um estranho no ninho – Fulvio Rampi

Eis o manifesto deste projeto, resumido na expressão latina “Verbum Dei sonus factum est” – E o Verbo de Deus se fez som. O “O Som da Palavra”. Profundamente inspirado, Fulvio Rampi demonstra em poucos parágrafos a razão de ser do número 116 da Constituição do Concílio Vaticano II denominada Sacrosanctum Concilium, que versa sobre liturgia. O intuito deste projeto é reafirmar estas palavras, fazê-las ecoar, e sobretudo, explicar exaustivamente a razão de ser delas.

116. A Igreja reconhece como canto próprio da liturgia romana o canto gregoriano; terá este, por isso, na acção litúrgica, em igualdade de circunstâncias, o primeiro lugar.

Este site é para qualquer católico que pretenda aceitar estas palavras e procurar entendê-las. Tal qual os grandes teólogos, que sempre aceitaram a revelação divina para depois adequá-la ao intelecto humano. Estaremos juntos neste processo, neste esforço intelectual. A profundidade do canto gregoriano ainda é lamentavelmente desconhecida pela maior parte dos católicos. Infelizmente, pouco a pouco, com o passar dos séculos, as riquezas vão sendo escondidas, enterradas, tal qual a parábola dos talentos. Mas como diz a outra parábola, do homem que encontrou um tesouro, quando compreendermos esta riqueza certamente nos desfaremos de todo o resto e “compraremos o terreno” onde ela se encontra.

Colocaremos luz nas bases fundacionais da música litúrgica, para que você em cada paróquia, em cada comunidade, possa se apaixonar pelo canto sacro, entendendo sua função, sua razão de ser, seu espírito. Chega da luz ficar embaixo do alqueire. Gritaremos a plenos pulmões, do alto dos muros, que o canto gregoriano é liturgia, é a exegese sonora da Palavra, é a ruminatio musical das leituras, a interpretação eclesial da vida litúrgica.

Seja sempre muito bem-vindo. Venha junto conosco nesta peregrinação. Participe comentando, escrevendo para nós, apresentando suas dúvidas, cobrando conteúdos e bibliografia, artigos e vídeo-aulas. Vamos fundar o movimento do Canto Gregoriano no Brasil e em todos os países de língua portuguesa.

André Gaby

Fundador do Portal